Visitando o Centro da cidade

Corrida na Orla Conde e redondezas

Era uma vez, um Centro de uma cidade, onde tudo o que se via era um abandono e degradação. Quando esse mesmo lugar conquistou o direito de sediar os jogos olímpicos, era preciso que ele fosse reformado. A obra causou muitos transtornos e deixou muita gente em pânico. Isso porque elas passavam bastante tempo dentro de carros e ônibus quando retiraram um viaduto que estragava a sua vista. Mas depois que a obra acabou, o bairro ficou com cara de novo. As pessoas passaram a frequentá-lo novamente. Acho que você sabe de onde estamos falando…

Assim nasce o projeto Correndo no Rio, o blog que vai percorrer correndo vários lugares do Rio de Janeiro. Com isso, você conhecerá vários locais onde poderá correr pela cidade. O primeiro capítulo dessa história será contado no novo Centro.

Primeiro Momento

Nosso primeiro momento foi o Obelisco na Avenida Rio Branco. Ele possui como função coroar a criação da Avenida Central. Essa avenida foi aberta dentro do programa de remodelação da cidade pelo prefeito Pereira Passos, no início do século XX. O Obelisco foi doado por um dos empreiteiros da obra e inaugurado em 1906.

Partimos do Obelisco na Avenida Rio Branco em direção à Praça XV. Por isso, seguimos pelo novo ambiente dessa avenida: a ciclovia que beira o caminho do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Orla Conde
Ciclovia e estação do VLT

Durante o trajeto é possível avistar alguns prédios importantes dessa avenida como o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes.

Praça XV

Ao final da parte destinada aos pedestres, viramos à direita e seguimos pela Rua São José até chegarmos ao Paço Imperial. Aqui foi o segundo momento do treino: a Praça XV. Na verdade, seu nome oficial é Praça Quinze de Novembro, em homenagem à Proclamação da República. Em seus arredores, estão:

  • a estação das Barcas;
  • a Rua 1º de Março;
  • o Arco do Teles;
  • o Palácio Tiradentes;
  • o Paço Imperial;
  • a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Mesmo tendo esse nome, a Praça já existia há muito mais tempo, tendo, inclusive, o Chafariz do Mestre Valentim como um dos seus símbolos.

Com a revitalização da Zona Portuária da cidade, o antigo Mergulhão da Praça XV passou a incorporar o Túnel Prefeito Marcello Alencar.

Orla Conde
Entrada do Túnel Marcello Alencar.

Esse túnel liga o Aterro do Flamengo e o Aeroporto Santos Dumont à região da Rodoviária e à Avenida Brasil. Tal região faz parte da Orla Conde, um passeio público que interliga o Armazém 8 do Cais do Porto até à Praça da Misericórdia. A Orla Conde possui 3,5 Km de extensão. Falaremos sobre ela mais detalhadamente daqui a pouco. O objetivo seria percorrê-la por completo. No entanto, devido ao mistério e às obras da Pira Olímpica, o caminho não estava aberto por completo. Havia um bloqueio na região da Candelária.

Orla Conde
Momento mistério… Tudo para não revelar os segredos da Pira Olímpica…

Mosteiro de São Bento por um atalho

Com isso, tivemos que dar uma volta por um outro caminho e passamos em frente à entrada do Mosteiro de São Bento. Aproveitamos para subir a ladeira e visitar esse local. O Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro está localizado no Morro de São Bento, no Centro do Rio. Foi fundado por monges beneditinos vindos da Bahia em 1590 e até hoje possui essa função. Também há um colégio e uma faculdade no local.

Orla Conde
Entrada para o Mosteiro de São Bento
Orla Conde
Olha a subidinha…

 A construção do mosteiro foi executada por escravos que utilizavam as pedras provenientes do Morro da Viúva. Para quem não conhece o Morro da Viúva, ele fica no Flamengo a mais ou menos uns 6 Km do mosteiro. Imaginem o drama para trazer essas pedras?

O interior da igreja é riquíssimo, com muito dourado, em um estilo barroco de fins do século XVII ao rococó da segunda metade do século XVIII. Apesar de ser um convento de São Bento, o santo padroeiro da igreja, na verdade, é uma santa: Nossa Senhora de Mont Serrat. Ela foi escolhida para homenagear a santa de devoção do então governador da Capitania do Rio de Janeiro, dom Francisco de Souza. Quer conhecer? O mosteiro está aberto diariamente no horário das 7h às 18h.  Aos domingos, às 10h, existe a tradicional missa celebrada com órgão e canto gregoriano, única na capital fluminense.

Orla Conde
Fachada da Igreja

Orla Conde

Depois desse desvio, voltamos à Orla Conde. O nome oficial é Orla Prefeito Luiz Paulo Conde. Ela tem por objetivo a circulação de pedestres e ciclistas nos decks, calçadão, ciclovia, praças e áreas de convivência. São 215 mil m² de área de convivência e 27 centros culturais da região central da cidade próximos:

  • Museu de Arte do Rio (MAR);

    Orla Conde
    Futuras instalações do AquaRio
  • Biblioteca Nacional;
  • Armazém da Utopia;
  • Centro Cultural dos Correios;
  • Centro Cultural Banco do Brasil;
  • Casa França Brasil;
  • Museu do Amanhã;
  • AquaRio (em vias de inauguração).

Chegamos a ela na Praça Mauá e resolvemos seguir para a direita para conhecer o trecho em área militar. O acesso a esse caminho ficou fechado durante muito tempo para a população. Agora ele foi aberto e é possível contornar o Morro de São Bento e admirar a Baía de Guanabara. Voltamos, demos uma volta pelo Museu do Amanhã e seguimos até o Armazém 8.

Orla Conde
Painel Etnias.
Orla Conde
Museu do Amanhã

Desviamos da Orla Conde e esticamos até a Cidade do Samba, no Santo Cristo. O nome oficial é Cidade do Samba Joãozinho Trinta, em homenagem ao carnavalesco. É uma área destinada aos barracões das escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro. É lá que são elaboradas as alegorias e fantasias dessas agremiações.

Cais do Valongo

Voltamos para a Orla Conde, mas desviamos para a Avenida Barão de Tefé onde chegamos ao Cais do Valongo. Ele é um antigo cais localizado na zona portuária do Rio de Janeiro, entre as atuais ruas Coelho e Castro e Sacadura Cabral. Foi construído em 1811 e tinha como função servir de local de desembarque e de comércio de escravos africanos até 1831.

Até meados da década de 1770, os escravos desembarcavam na Praia do Peixe, atual Praça XV, e eram negociados na Rua Direita (hoje Rua Primeiro de Março). Em 1774, uma nova legislação estabeleceu a transferência desse mercado para a região do Valongo, por iniciativa do Marquês de Lavradio. O Cais do Valongo só teve suas funções interrompidas (oficialmente, porque ainda funcionava na clandestinidade), porque no ano de 1831 houve a proibição do tráfico transatlântico de escravos. Durante os vinte anos de sua operação, entre 500 mil e um milhão de escravos desembarcaram nesse local.

Em 1843, o cais foi local de desembarque da princesa Teresa Cristina de Bourbon-Duas Sicílias, que viria a se casar com o imperador D. Pedro II. Por isso, ele passou a ser chamado de “Cais da Imperatriz”. Mas este também acabaria por ser enterrado em 1911, durante a reforma urbana empreendida pelo prefeito Pereira Passos.

Em 2011, durante as escavações realizadas como parte das obras de revitalização da zona portuária do Rio de Janeiro, foram descobertos os dois ancoradouros um sobre o outro. Junto a eles, uma grande quantidade de amuletos e objetos de culto originários do Congo, de Angola e Moçambique. Atualmente, há um dossiê para a candidatura do sítio arqueológico do cais ao título de Patrimônio da Humanidade da UNESCO.

Jardim Suspendo do Valongo

Bem pertinho desse cais, há o Jardim Suspenso do Valongo, uma construção paisagística situada na encosta oeste do Morro da Conceição. Foi construído em 1906, como parte de um muro de contenção para o primeiro morro, durante as obras promovidas pelo prefeito Pereira Passos. Está a 7 metros acima do nível da rua e possui 1530 m2. O acesso a ele é feito pela Rua Camerino através de uma escadaria bem íngreme e funciona diariamente de 10h as 18h.

Orla Conde 10
Escadinha do Jardim Suspenso do Valongo.
Orla Conde
Parte do Jardim Suspenso do Valongo

Havia, no jaOrla Conde 11rdim, quatro estátuas em mármore representando divindades romanas: Minerva, Mercúrio, Ceres e Marte. Em 2002, as estátuas foram parcialmente danificadas por vândalos e a prefeitura resolveu transferi-las para o Palácio da Cidade. Em junho de 2012, réplicas foram recolocadas no jardim após a sua restauração.

Experimentando o VLT

Terminada a visita ao Jardim Suspenso do Valongo, voltamos à Orla Conde e terminamos nosso treino em frente ao Museu do Amanhã. Aproveitamos para conhecer um novo meio de transporte: o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O VLT tem 28 quilômetros e 32 paradas. Quatro dessas paradas estão na Orla Conde:

  • Aquário;
  • Pier Mauá;
  • Parada dos Museus;
  • Praça XV.

Utilizamos a Parada dos Museus para nos despedirmos desse novo local que tem tudo para ser um importante local de encontro, aprendizado, beleza e descanso.

Orla Conde
Parada dos Museus

E você? Já treinou nesse local? O que achou deste treino? Conte aqui nos comentários para a gente!

Até o próximo treino

Orla Conde
Até a próxima!

Um abraço

Carolina Belo e Ricardo Erlich

 

6 Comentários


    1. Oi Tatiana!!!! Muito obrigada pela visita!!!! Tudo bem que a resposta para seu comentário está 2 meses atrasada, masssss há uma explicação plausível para isso: Carolina achou que Ricardo fosse responder e ele pensou a mesma coisa em relação à Carolina.
      Agora pode ficar tranquila que isso não irá mais se repetir, pois já estamos com nossas funções definidas, he he he…

      Um super beijo e obrigada por comentar!!!

      Carolina
      Correndo no Rio

      Esportes de A a Z

      Blog Viajar correndo

      Responder

  1. Quanta informação maravilhosa! Pra variar, muita qualidade e amor ao que fazem! Amei!! ❤

    Responder

    1. Oiiiii Carla!!! Muito obrigada por sua visita e por seu comentário super carinhoso.
      Aproveito para pedir desculpas pela demora na resposta. Foi uma falta de comunicação entre Carolina (eu) e Ricardo, he he he. No entanto, já estamos com nossas tarefas e atribuições determinadas!!!! E daqui para frente, todas as respostas aos comentários estarão “tinindo”, rs.

      Um super beijo e obrigada mais uma vez por prestigiar nosso trabalho…

      Carolina

      Correndo no Rio

      Esportes de A a Z

      Blog Viajar correndo

      Responder

    1. Obrigada Drika pela visita! E, claro, desculpe pela demora na resposta. Pode ficar tranquila que isso não acontecerá mais, ha ha ha. Foi um lapso de organização entre os partners, mas agora já temos nossas tarefas e atribuições determinadas!!!!
      Um super beijo e obrigada mais uma vez por prestigiar nosso trabalho..
      Carolina

      Correndo no Rio
      Esportes de A a Z
      Blog Viajar correndo

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *