Explorando caminhos a partir da Praça Afonso Viseu

O Correndo no Rio está na Praça Afonso Viseu, no Alto da Boa Vista. A partir dela, se pode fazer vários treinos, com percursos de asfalto e trilhas bem diferentes. Fazendo uma analogia, ela é como se a Praça fosse o miolo de uma flor de onde partem cinco pétalas (que seriam os trajetos). Escolhemos uma dessas pétalas para o treino de hoje. E as outras quatro? Vamos explorar nos próximos episódios.

A Praça Afonso Viseu

Essa praça, também conhecida como “A pracinha do Alto” fica exatamente no ponto mais alto do Alto da Boa Vista (quantos “Alto”, né?).

Ela foi construída em 1903 como Largo da Boa Vista. Havia um coreto, que foi substituído pelo chafariz de Grandjean de Montigny. Este foi um renomado arquiteto francês que contribuiu para o desenvolvimento urbano do Rio.

Chafariz de Grandjean de Montigny na Praça Afonso Viseu

Afonso Viseu foi um grande comerciante de tecidos no Rio. Morava, justamente, em um imóvel em frente à praça (onde hoje funciona a casa de festas Vila Cabral).

O Parque Nacional da Tijuca (PNT)

O Parque Nacional da Tijuca (PNT) foi criado em 6 de julho de 1961 e possui 39,35 km². Atualmente, ele é dividido em quatro setores:

  • Setor Floresta da Tijuca: composto pela Floresta da Tijuca, Andaraí e Três Rios, com uma área de 14,72 km². Possui atrações como o Pico da Tijuca e a Cascatinha Taunay.
  • Setor Serra da Carioca: composto pelas Paineiras, Silvestre, Sumaré, Floresta dos Trapicheiros, Corcovado e Parque Lage perfazendo uma área de 17,28 km². Possui como atrações a Vista Chinesa, a Mesa do Imperador e o Cristo Redentor.
  • Setor Pedra da Gávea/Pedra Bonita: composto pela Pedra da Gávea e Pedra Bonita, formando uma área de 2,57 km²;
  • Setor Pretos Forros/Covanca: composto pela Covanca e os Pretos Forros, numa área de 4,78 km².

Por ser compartimentado, o Parque Nacional da Tijuca pode ser visitado por diferentes caminhos. O Setor Preto Forros/Covanca não há estrutura para visitação. Já visitamos o Setor Serra da Carioca antes. Caso você ainda não tenha visto, não deixe de conferir o post aqui.

Nosso treino no PNT começou pela entrada próxima à Praça Afonso Viseu.

Entrada do Parque Nacional da Tijuca

A poucos metros dessa entrada, já chegamos à Trilha do Estudante.

Trilha do Estudante

Nossa primeira trilha após entrarmos no PNT foi a Trilha dos Estudantes. Ela é uma trilha interpretativa autoguiada. O percurso total é de 1280 metros, com um baixo nível de dificuldade.

Placa na entrada da Trilha do Estudante

Ao sairmos da Trilha do Estudante, chegamos a um estacionamento. Em frente a ele, há a Cascatinha Taunay.

Cascatinha Taunay

A Cascatinha Taunay, a cerca de 500 metros da entrada do Parque Nacional da Tijuca, era liberada para banhos. No entanto, essa fonte passou a abastecer os moradores do Alto da Boa Vista e de parte da Tijuca no final da década de 1980. Com isso, os banhos foram proibidos.

São 35 metros de queda d’água e o nome é em homenagem a Nicolas Antoine Taunay. Ele foi um pintor da Missão Artística Francesa, que veio ao Brasil no século XIX.

Cascatinha Taunay

Continuamos subindo pela pista de asfalto até chegarmos à Capela Mayrink.

Capela Mayrink

Uma capela cor-de-rosa, construída em 1855 por Visconde Antônio Alves Souto. Seu primeiro nome foi Capela Nossa Senhora de Belém. No entanto,em 1896, passou a se chamar Capela Mayrink após a área ser vendida ao Conselheiro Francisco de Paula Mayrink.

Capela Mayrink
Campanário da Capela Mayrink

No altar, há réplicas de telas de Cândido Portinari.

Continuamos nossa subida pela estrada de asfalto até chegarmos ao Centro de Visitantes. Ali há uma bifurcação. Seguimos para a direita, em busca da Trilha para a Cachoeira das Almas.

Em estrada de terra batida, seguimos até encontrar outra bifurcação. Dessa vez, o lado direito seguia para o Mirante Excelsior e o esquerdo para a Cachoeira das Almas. Então, lá fomos nós para o lado esquerdo.

Cachoeira das Almas

O caminho para a Cachoeira das Almas é bem leve. O percurso é feito em uma trilha com algumas pontes de madeira para passar sobre o Rio das Almas.

A Cachoeira das Almas é uma das poucas do Parque que é liberada para banho. A sua queda d’água tem aproximadamente 4 metros de altura. Seu nome é devido à sua função do passado: servir de local de culto para escravos. Lá, eles podiam realizar seus cultos longe da perseguição.

Cachoeira das Almas
Cachoeira das Almas

Para voltar, escolhemos uma outra trilha. Ela é bem curta e chega ao Restaurante “A Floresta”. Ela também pode ser feita no sentido contrário, chegando à Cachoeira das Almas. Para isso, em vez de pegar a primeira bifurcação (no Centro de Visitantes) para a direita, é só virar à esquerda e continuar subindo até chegar ao restaurante. De lá, é só descer e chegar á Cachoeira das Almas.

Chegando ao Restaurante “A Floresta” descemos pela estrada de asfalto até encontrarmos o Lago das Fadas.

Lago das Fadas

O Lago das Fadas situa-se num antigo charco que foi represado. Por isso, a cor da água.

Lago das Fadas

Passamos, novamente, pelo Centro de Visitantes e seguimos em direção ao Açude da Solidão, já próximo a outra saída do PNT.

Açude da Solidão

Esse açude tem uma história triste. O Barão do Bom Retiro (Ministro dos Negócios do Império) era o proprietário do local. Seu filho foi lutar e acabou morrendo na Guerra do Paraguai. O Barão do Bom Retiro entrou em depressão e utilizava esse lugar como refúgio para viver seu luto.  Sua residência passou a ser conhecida como “A Solidão” e o lago da casa como o Açude da Solidão.

Açude da Solidão

Após o açude, saímos do PNT e continuamos correndo até a Rua Boa Vista, onde chegamos à entrada da Estrada da Vista Chinesa. Esse será o ponto de partida para a nossa próxima aventura… Aguarde os próximos episódios de Correndo no Rio

Como chegar à Praça Afonso Viseu

O local pode ser alcançado de ônibus ou de carro.

De ônibus

As linhas que passam em frente à Praça Afonso Viseu são:

301- Barra da Tijuca x Rodoviária

302- Rodoviária x Recreio dos Bandeirantes

345- Candelária x Barra da Tijuca

De carro

Saindo da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa no final da Rua Conde de Bonfim.

Saindo da Barra da Tijuca: A Rua da Boa Vista começa na Estrada da Barra da Tijuca.

Saindo do Jardim Botânico: A Rua Pacheco Leão e seguir pela Estrada Dona Castorina.

Saindo de São Conrado: A Estrada das Canoas e na Gávea Pequena, virar a esquerda.

Informações Importantes

O PNT funciona diariamente das 8h às 17h, e até às 18h no verão (exceto Corcovado).

A entrada é gratuita. Somente a visita ao Corcovado é tarifada.

Esperamos que tenha gostado. Você já fez esse trajeto? O que achou? Deixe aqui nos comentários as suas impressões. Vamos adorar saber!!!

Até a próxima!

Um super beijo e abraços

Carolina Belo e Ricardo Dungó

Siga nossas redes sociais

Inscreva-se no nosso canal do YouTube para não perder nenhuma novidade!

1 comentário


  1. Muito legal essa matéria Dungó.
    É uma ótimo forma de mostrar as pessoas que não
    conhecem esse lugar maravilhoso e de fácil acesso,
    para se fazer um ótimo treino.
    E nada melhor fazer isso correndo e na companhia,
    dessa nossa grande amiga Carol. Parabéns pela
    iniciativa, sucesso nos outros vídeos, que por certo
    virão.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *